Translate

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Criando as Bezerras - Capitulo 3

Bezerreiro Fazenda Veredas (Modelo Argentino)
Para uma vaca liberar o leite durante o processo de ordenha é necessário uma série de estímulos, para que ela produza um hormônio chamado oxitocina que irá desencandear o processo pelo qual podemos coletar o leite. 

Vacas com graus de sangue de 3/4 Holandês para baixo, normalmente necessitam do estimulo do bezerro para liberar a oxitocina e consequentemente o leite.

É por isto que antigamente se tirava leite de uma vaca com o bezerro amarrado ao lado da vaca, isto no tempo das ordenhas manuais. Mas bezerros e ordenhas mecânicas são incompatíveis,  pois acabam por atrasar o serviço, gastar mais energia elétrica e provocar choro e ranger de dentes entre os ordenhadores visto que bezerros não são muito inteligentes.

Um rebanho igual ou superior a 7/8 de grau de sangue  holandês, pode-se ordenhar perfeitamente sem o bezerro, pois a vaca, neste caso, desce o leite simplesmente com o estimulo das massagens no ubere pelo ordenhador e pelo próprio ambiente e sons da ordenha.  

Os produtores que não tem ainda um rebanho uniforme 7/8 ou superior, mesmo assim fazem a desmama precoce do bezerro, e usam oxitocina sintética aplicada na veia com seringas de 1 ml, para estimular as vacas a descerem o leite. não é o ideal, e provoca efeitos colaterais discutíveis e não exatamente identificados ainda. Mas já vi relatos de ovários policísticos e infertilidade precoce. Mas nunca encontrei nada definitivo sobre o assunto.

Mas então o que fazer com o bezerro, pois eles precisam ingerir leite por pelo menos por 2 meses até estarem aptos a sobreviverem de  volumoso (capim, silagem ou feno) e concentrado.

Só existe uma maneira eficaz, colocá-lo num bezerreiro onde ele ficará amarrado a uma corda, com um pouco espaço de locomoção e sem contato físico com os demais e recebendo claro, leite 2 vezes ao dia mais concentrado.

Muitos produtores preferem criar os bezerros livres, como na natureza, em pequenos pastos, e recebendo leite 2 vezes ao dia. Esta é a maneira mais eficiente de levá-los desta vida para outra melhor se é que bezerros têm outra vida. Bezerros brincam muito, têm muito contado físico e pior, mamam uns no outros. O que leva a disseminação de doenças e futuras vacas com peitos perdidos.

Na Fazenda Veredas tínhamos um índice de perda de bezerros muito grande, quando usávamos este método natural e assassino. 

E lutávamos para atingir o índice normal de perdas recomendado pelo pessoal especializado que é de 2% a 3%.

Passei então a estudar os diversos modelitos de casinhas de bezerros sem nunca entender o por quê de se usar casinha de bezerros pois eu não imagino uma vaca livre na natureza ( se é que isso existe) construindo uma casinha para seu bezerro.

Até que me deparei com o método simples de nossos hermanos argentinos. E lembrando de Alvin Toffler: “A tecnologia não precisa ser grande, cara nem complexa para ser sofisticada.”

O fundamental para um bezerro é a sombra,  e a maneira mais eficiente de se proporcionar isto é com um sombrite. Testamos sombrites com proteção da luz do sol de 50% a 85%. Percebemos que o de proteção 50% proporciona um coforto térmico bom para os animais e por ser mais leve dura muito mais e causa menos problemas de manutenção alem de ser muito mais barato.

Os sombrites são sempre colocado no sentido norte-sul, a uma altura de 1,80 do solo,  de tal modo que a luz do sol incida sobre toda a área em que o bezerro caminha ao longo do dia, ajudando a secar e a esterilizar a área.

Como a sombra se desloca no sentido oeste para leste , os bezerros vão mudando instintivamente de posição ao longo do dia.

Arames de 3 metros são disposto no sentido leste a oeste, rente ao solo, numa distancia de 3,5 metros um do outro, para o deslocamento dos bezerros que são presos nele, um em cada arame,  por uma corda e um gancho giratório de metal, chamado de mosquetão.

A distância de 3,5 m de um arame ao outro é para que os bezerros não se toquem, evitando assim a transmissão de doenças.

Os arames são presos em cada ponta em postes de eucaliptos de 5 a 7 cm de diâmetro, e neste postes pendurados um vasilhame com água e outro com ração a partir do quinto dia. A água deve ser trocada diariamente e os vasilhames lavados semanalmente, no mínimo.

Nas épocas mais críticas da estação das chuvas, é necessário dar banho de iodo a 2% nos bezerros com uma bomba costal, para que eles não sejam atacados por fungos oportunistas.

Utilizando este método, ficamos 3 anos sem perder uma bezerra sequer, mesmo trocando funcionários.


Ao lado podemos ver uma série de modelitos fantasiosos para bezerreiros. São caros, e como a luz do sol não incide diretamente sob o abrigo necessitam ser mudados periodicamente de lugar, o que se deixados por conta dos funcionário dificilmente ocorrerá.  Os americanos como podem ver levam tudo ao extremo e tem modelos que são verdadeiros campos de concentração para os bichinhos. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário